Farmacovigilância

O que é?

A Farmacovigilância tem como funções a detecção, a compreensão, a prevenção, o monitoramento e a avaliação de medicamentos que estão disponíveis no mercado. Trata-se do acompanhamento do desempenho de uma medicação em relação aos seus possíveis problemas, efeitos e reações adversas. Isso significa que mesmo após um medicamento ter sua comercialização autorizada pela Anvisa no Brasil, ele segue sendo monitorado para garantir a sua segurança.

Se você é paciente e utiliza medicamentos em seu tratamento, fique atenta aos efeitos que ele provoca em seu organismo. É importante notificar a percepção de eventos e reações adversas para o seu médico, que deverá levar a sua informação adiante. Se você é profissional de saúde, é fundamental notificar efeitos e reações adversas relatadas às autoridades sanitárias e ao laboratório fabricante do medicamento. A sua atitude pode ajudar a compreender melhor o funcionamento dos medicamentos e a melhorar a sua segurança.

Quem é responsável pela Farmacovigilância?

No Brasil, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), junto às vigilâncias sanitárias estaduais e municipais.

Como funciona?

Os medicamentos são estudados antes e depois de sua comercialização. A medicação passa por uma Pesquisa Clínica, antes de ser distribuída e comercializada,  na qual são estabelecidas suas dosagens, posologia, manejo, eficácia e efeitos colaterais. Após a chegada ao mercado uma nova pesquisa é realizada, pois podem acabar surgindo efeitos colaterais desconhecidos ou não estudados na primeira fase de pesquisa.

Qual a importância da Farmacovigilância?

Muitas vezes, esses efeitos colaterais descobertos depois, são raros e/ou graves e faz-se necessária a observação quanto ao risco/benefício daquele medicamento. Para a efetividade da Farmacovigilância, é necessário que profissionais da saúde e pacientes notifiquem as indústrias farmacêuticas e órgãos sanitários sempre que surgirem reações adversas.

Qual a importância da notificação?

A importância da notificação está na redução das taxas de ocorrência de doenças ou mortes associadas à medicação, por meio da detecção de problemas de segurança dos medicamentos nos pacientes, além de melhorar a seleção e uso racional de medicamentos.

A quem notificar?

Pacientes devem levar ao seu médico queixas sobre reações ou eventos adversos, falta de eficácia ou intoxicação. Profissionais de saúde devem notificar a autoridade sanitária correspondente (Centro de Vigilância Sanitária em São Paulo e Notivisa nos demais Estados) e o laboratório fabricante através do SAC 0800 presente na caixa do medicamento ou no site do fabricante.

 

Fonte: http://www.batalhadoras.org.br/artigo/75/farmacovigilancia#.VGPATXWi-lE